sábado, 18 de julho de 2009

Everaldo


10 comentários:

Jair Bernardes disse...

Campeão mundial pela seleção de 70.
daí vem a gíria "eu sou tri", pois os gremistas se consideravam tri compeões junto com o Brasil.
Mais tarde os colorados foram tri-campeões brasileiros, e tbm diziam "somos tri".
Dai em diante toda a pessoa que fosse legal era considerada TRI.

Anônimo disse...

EVERALDO ERA MELHOR QUE PELÉ

Richard disse...

Estrela.

Anônimo disse...

Estrela. [2]

Anônimo disse...

Everaldo Marques da Silva
uma estrela que brilha na bandeira tricolor

Campeão Mundial com a Seleção em 1970, jogador foi perpetuado na história do Clube


Pai e filho, agarrados ao alambrado do campo suplementar do Estádio Olímpico, acompanham tranqüilamente um treinamento até que o menino se põe a observar a gigantesca bandeira tricolor que tremula no alto do mastro localizado junto à Rótula do Papa. Com a curiosidade costumeira da juventude, o garoto pergunta ao mais velho: “Pai, o que significa aquela estrela dourada na bandeira do Grêmio?” Sem pensar muito, o pai responde: “É para comemorar o título mundial de 1983, meu filho”.



A história contada acima é fictícia, mas o engano em relação à estrela que brilha no pavilhão gremista acontece seguidamente até mesmo por parte de torcedores que se dizem conhecedores da história do Clube. Na verdade, a estrela começou a fazer parte da bandeira oficial do Grêmio em homenagem ao lateral Everaldo Marques da Silva, único jogador gremista a fazer parte da inesquecível Seleção Brasileira Tricampeã da Copa do Mundo de 1970, realizada no México.



A empolgação da torcida gremista com o êxito obtido pelo jogador que representou o Tricolor na vitoriosa campanha do Tricampeonato fora tanta que, em seu retorno à Porto Alegre logo depois da conquista, saiu às ruas da cidade para comemorar como se fosse um verdadeiro título alcançado pelo próprio Grêmio. Na época, o fato foi considerado uma das maiores demonstrações de carinho já dispensadas a uma personalidade do Estado.



No dia 30 de junho de 1970, seis dias após seu retorno do México, o Conselho Deliberativo do Grêmio, em uma sessão solene, perpetuou oficialmente a figura de Everaldo na história do Clube dedicando ao atleta a famosa estrela dourada na bandeira. Na ocasião, o jogador recebeu também o título de Atleta Laureado além de duas cadeiras quitadas no Estádio Olímpico.


No dia 27 de outubro de 1974, aos 30 anos de idade, ao retornar de uma viagem ao interior do Rio Grande do Sul, Everaldo Marques da Silva acabou falecendo em um acidente automobilístico perto da localidade de Santa Cruz do Sul. A morte precoce do atleta não foi suficiente para apagar as lembranças de um jogador exemplar tanto dentro quanto fora do campo.




A carreira:
Everaldo ingressou no Grêmio em 1957 passando pelas categorias infanto-juvenil e juvenil. Em 1964 foi emprestado ao Juventude de Caxias do Sul retornando ao Olímpico dois anos depois. Em 1967, foi convocado pela primeira vez para defender a seleção brasileira onde conquistou a Copa Rio Branco no Uruguai assegurando vaga no selecionado que, em 1969, participaria das Eliminatórias culminando com o tricampeonato no México em 1970. Com a camisa do Grêmio, conquistou o heptacampeonato gaúcho em 1968. Além de todos os prêmios conquistados, foi agraciado com o troféu Belfort Duarte, concedido aos jogadores de defesa leais.

Fonte: http://www.gremio.net/page/view.aspx?i=everaldo&language=0

Anônimo disse...

Quarta-feira, Abril 18, 2007
Estrela do Everaldo
Como muita gente sabe, Everaldo é homenageado com uma estrela pelo Grêmio. Está no parágrafo único do artigo 111 do estatuto do clube:


"Parágrafo único – O símbolo gremista ostentará 3 (três) estrelas, observado o seguinte:
I – a de ouro representará, além da homenagem ao atleta Everaldo Marques da Silva, os títulos mundiais do GRÊMIO;
II – a de prata representará os títulos continentais;
III – a de bronze representará os títulos nacionais e regionais."


Eu penso que talvez essa homenagem seja um tanto quanto exagerada. mas acho que as coisas tem de ser analisadas dentro de uma perspectiva. Em 1970, o fato de um atleta do Grêmio integrar a seleção brasileira tricampeã mundial era motivo de orgulho para muitos gremistas. A foto abaixo da uma ideia do que foi a recepção do jogador, que levou cerca de 200 mil pessoas as ruas de Porto Alegre:
foto: o profeta do acontecido


É óbvio que também temos de levar em conta que aquela seleção foi usada como propaganda da ditadura militar, e muito provavelmente a recepção também tinha o governo por trás. Mesmo assim penso que o tamanho da festa já serve pra justificar a homenagem feita através da estrela. Além disso há também o fato de Everaldo ter morrido precocemente, num acidente de carro, num período no qual cumpria suspensão por ter agredido o árbitro José Favile Neto, que marcou um pênalti (injusto?) contra o tricolor.


Quem quiser saber mais sobre a recepção do Everaldo pode acessar o blog do qual tirei a foto:
http://www.oprofetadoacontecido.blogger.com.br/

FONTE: http://gremio1983.blogspot.com/2007/04/estrela-do-everaldo.html

Anônimo disse...

Everaldo, a estrela do Grêmio.
Por Roberto Mosmann
30/06/2007-02:13:50


Todo mundo sabe que a bandeira oficial do Grêmio tem uma estrela dourada, né? Acho que todo mundo também sabe que aquela estrela é uma homenagem a EVERALDO MARQUES DA SILVA. O lateral-esquerdo do Grêmio e da Seleção do Tri, de 1970, a melhor seleção do mundo de todos os tempos. Mágica!

Quando retornou do México, Everaldo teve recepção de herói em Porto Alegre. Com 11 anos, fui um dos milhares de meninos que correram na Avenida Farrapos atrás do caminhão de bombeiros em que Everaldo, vestido com uma roupa dourada e chapéu mexicano, abanava para nós. Era tosca aquela roupa de Buffalo Bill, mas nos anos 70 valia tudo.

Everaldo foi, sim, um baita jogador. Era lateral de marcação, mas tinha muita categoria. Tinha o respeito de todas as feras de 1970 (Pelé, Tostão, Carlos Alberto, Gerson exigiram sua escalação no lugar do amarelão Marco Antonio) E Everaldo era gremistão! Da gema. Tinha orgulho de jogar no Grêmio.

Em 1972, joguei na Escolinha do Grêmio (Bah! Treinado pelo legendário João Severiano, o Joãozinho). Adorava ver o treino dos profissionais. Everaldo colocava uma camiseta na grama. Em cima da camiseta, uma bola. Daí, com uma agilidade incrível, ele jogava o corpo pra trás, se apoiava no braço esquerdo e, com a perna direita, acertava a bola, só a bola, sem mexer na camiseta. Era capoeira aquilo. Acho que rabo-de-arraia. Bah! Todos nós nos encantamos com os carrinhos de Mauro Galvão. Vocês precisavam ver o que era o tal rabo-de-arraia do Everaldo. Eu via em treinos. Ele repetia nos jogos. E eu dizia para meu pai: "Bah! Eu vi ele treinar isso!". E meu coração gremista se enchia de orgulho e alegria.

Everaldo era um jogador leal. Ganhou o troféu Belfort Duarte, dado a jogadores que por 10 anos não fossem expulsos de campo. Mas uma noite de 1972 - eu estava lá - , no Olímpico ainda não Monumental, nós, torcedores gremista, assistíamos ao Cruzeiro de BH enfiar 3 a 1 no Grêmião (três gols de um tal Eli Carlos). Emudecida, a torcida não acreditava. O Grêmio era muito mais time que o Cruzeiro.

De repente, o juiz – José Faville Neto – marca uma falta e dá cartão amarelo para o Everaldo. Normal. Mas Everaldo ficou parado com as mãos na cintura, olhando o juiz. Depois, começou a caminhar em direção a ele. Chegou a dois passos do Faville e desferiu a porrada. O maior soco que já vi. Ele acertou o olho do juiz com a mão e, na seqüência, a boca com o cotovelo! O cara despencou. Nocaute e cirurgia!

O estádio em silêncio. Ninguém acreditava. Everaldo continuava calmamente caminhando em direção ao túnel do Grêmio. Nem olhava para trás. Pegou um ano de suspensão, depois revertidos para seis meses porque ele era o Everaldo. De repente, o silêncio se quebra! Trinta mil gremistas da melhor torcida do mundo – A TORCIDA DO GRÊMIO - levantam e gritam: "EVERALDO! EVERALDO! EVERALDO! ". Putz, me emociono só em lembrar. Depois, a gente soube que Everaldo estava magoado por ser o único tricampeão não convocado para o torneio do sesquicentenário, em 1972! Pelé também não fora, mas porque abandonou a seleção em 71.

Everaldo morreu num desastre de carro em outubro de 1974. Em 1975, fui colega de aula de uma sobrinha dele, Fátima (onde andarás, querida amiga?). No incêndio das lojas Renner (abril/76), claro que fomos todos em galera pra ver. No meio do caminho, alguém parou pra comprar cigarros e ouviu a notícia. Lá no bar do Alfredo, da Cristóvão! Estava identificada a primeira vítima: a irmã de Everaldo, tia da minha amiga Fátima. Desisti de ver o incêndio. Resolvi que precisava consolar minha amiga. Na verdade, chorei junto a dor dela!

EVERALDO MARQUES DA SILVA, a estrela dourada da bandeira do Grêmio. E o cara que deu o soco que nós queríamos (mas não deveríamos) dar em todos que ousam roubar o Grêmio! Dedico este texto pra ti Everaldo e a minha amiga e colega Fátima!

Fonte: http://www.finalsports.com.br/colunas_dupla/col/headline_gremio.php?n_id=891&u=1%5C

The WJ disse...

A ESTRELA da bandeira do Grêmio...

Anônimo disse...

o melhor lateral esquerda do mundo... GRANDE EVERALDO!

Anônimo disse...

o angolano também já jogou no gaymio?

hoje trabalha no zora total.