quarta-feira, 17 de março de 2010

Ballejo


7 comentários:

Anônimo disse...

Estrangeiro?

Anônimo disse...

Ramão Ballejo

Ramão Ballejo foi um futebolista brasileiro. Nasceu em Bagé.

Atacante, começou a carreira em equipes amadoras de Bagé, quando foi contratado pelo Grêmio Esportivo Bagé em 1949. Foi o maior artilheiro da história do Bagé, tendo marcado 117 gols[1] pela equipe jalde-negra. Também serviu à Seleção Gaúcha, no início da década de 1950.

Atuou também pelo Grêmio Porto Alegrense, sendo o primeiro atleta bageense a marcar gol no Maracanã, em uma partida amistosa contra o Flamengo, no dia 15 de novembro de 1951, vencida pelo Grêmio por 3 a 1. Após encerrar sua carreira, em 1960 no Bagé, Ballejo teve breve passagem como treinador jalde-negro.

Faleceu em Porto Alegre em 12 de junho de 2007, aos 82 anos de idade, vítima do Mal de Alzheimer.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Ram%C3%A3o_Ballejo

Anônimo disse...

Morre o principal artilheiro do Bagé em toda sua história

13/06/2007 - Morte no futebol bajeense


Faleceu ontem, em Porto Alegre, onde estava radicado há muitos anos, o bajeense Ramão Ballejo, de 82 anos de idade.

Arquivo JM

GOLEADOR: Ballejo morreu ontem em Porto Alegre


Ele sofria do Mal de Alzheimer e foi sepultado no final da tarde de ontem, na capital gaúcha.
Ballejo surgiu no futebol amador da cidade e, em 1949, foi levado para o Grêmio Esportivo Bagé.

Atacante de chute potente brilhou intensamente com a camisa jalde-negra e acabou marcando, numa carreira que se encerrou em 1960, nada menos do que 117 gols, tornando-se o maior artilheiro da história do clube. Depois de servir à seleção gaúcha, no início da década de 50, Ballejo foi contratado pelo Grêmio Portoalegrense. E, num amistoso contra o Flamengo, em 15 de novembro de 1951, com vitória gremista por 3x1, foi o primeiro atleta bajeense a marcar gol no Maracanã, que havia sido inaugurado no ano anterior.

Logo depois de encerrar sua carreira no Bagé, Ballejo teve breve passagem como treinador jalde-negro.

O presidente do Bagé, Luis Carlos Alcalde, que foi contemporâneo de Ballejo como atleta, lembrou Ramão como “uma grande figura e um jogador que muito honrou a camisa jalde-negra”.

Marco Antônio Ballejo Canto, prefeito de Hulha Negra e sobrinho do velho craque, lembra, com orgulho, que o tio, no jogo de 15 de novembro de 1951, no Maracanã, foi autor do gol 3000 do Grêmio e que, no museu do clube, há painéis em sua homenagem.

Hoje, antes do jogo Bagé x Pelotas, será observado um minuto de silêncio em memória de um dos grandes nomes do futebol bajeense no passado.

FONTE: http://www.jornalminuano.com.br/noticia.php?id=16613&busca=1&palavra=Ballejo

Anônimo disse...

O TAL BALEJO ERA GALO, SEGUNDO MEU PAI

Anônimo disse...

R.I.P.

Bruno disse...

Deve ser o pai do Allejo, grande craque da seleção.

Gustavo disse...

Autor do gol nº 3.000 do Grêmio neste jogo no Maracanã em 1951.